quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Esmeralda

(Gratidão imensa por essa coautoria, Pedro Menegheti, precioso...)

-Onde está indo?
-Não sei, mas estou no lugar em que vou.
-Se meus olhos mágicos foram vistos pelos seus, eles são mágicos e leves também.

A luz verde que clareia
tua margem
Reflete a aurora
que colore os seus olhos
no pote do
começo e fim
de todo branco

Os rios me gargalharam
loucuras simples de debruçar.

És Meralda! A alta dama da sociedade secreta dos metamorfos.

Ruídos

Bandolins,
Soem!
Suem!
Dedilhem
a Vida!
Contem à todos!
Tudo que o Som revela
em
Silêncio!