quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Les amours imaginaires


Pupilas dilatadas buscam sentido na dança enevoada - Dos sinais.
Nas ilusões perceptivas, reais:
Pareidolia nos vestígios.

 Mistério em que se ignoram as perguntas,
 Pelo prazer em sentir as respostas.

 Não cabe algo tão enérgico como o som:
 Dissipá-los...
 Suas frágeis formas...
 Tão preciosas frágeis formas fluidas...

 Silêncio, então.

 Observo e intuo,
 Já que a névoa fluida observada, observa
 E a paz não assusta os sinais etéreos.

domingo, 23 de setembro de 2012

Suspensão

Ele tem todo o tempo do mundo e não tem um segundo como certo.
Não mais.
Deu pra viver suspenso, em espera de qualquer coisa inacreditável.
Não se sabe exatamente por que a vida se rasgou, abrindo-se a ele, 
Mostrando-se toda, 
Em plenitude e intensidade.

Olhar humilde de Marias e Josés,
Risos em meio ao desespero calado,
Resignação esperançosa
Medo silenciado.

Já era sabido que ele sentia.
Tendenciava à harmonia.
Seus olhos, mais que olhar, sentiam.

Quando a vida explodiu, plena  e intensa,
Aberta, 
Absurdamente compadecido, curvado frente as mazelas humanas que via,
Colocou-se inteiro no seu sentir e agiu até a exaustão.
Suspeita-se que a vida estava cansada e, vendo uma essência tão forte, 
Quis desabafar.
Ele tem todo o tempo do mundo e não tem nenhum segundo como certo.
Não mais.
Deu pra viver suspenso.
O silêncio que fica depois de uma grande explosão tem desse efeito,
 Suspensão.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Refúgio


Tempo não é deslocamento de ponteiros

Ainda é espaço
O tempo é envelhecimento daquele que observa
(Espera?)
O desgaste da pulseira do relógio

Se sublimei ou sempre foi, não sei.

Suspeito ser sublime
Desde o Big Bang
Suspeito que sublimei também
O meu refúgio sereno

Veio a minha calma

Veio na preciosa alma
Num segredo sagrado

Aconcheguei-me envolvida

Enternecida

Quanto tempo

Conto tempo
Abracei meu refúgio em espírito

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Fluxo em bloco

É. Um dia a gente se cansa de escrever em versos, sente uma vontade forte de ser sem espaços, de se enfileirar intenso dentro de um fluxo solto e sem forma ou um bloco inteiro, maciço, cheio de percepções da gente. Que mente, criativa, esconde sempre o que mais deseja mostrar. E sofre. Estranha essa forma? Olha pra dentro, que forma tem o fluxo dos teus pensamentos? Relaxe seus músculos. Se solta no mundo, na via, na vida. Fase cinza, missão enevoada, cumpro com amor cada passo teu. Veja que sou eu quem fala poesia da forma que você quer e me escondo fria, quente, bloco de mistério, riso, choro, não entendo nada, intuição. Toda vez que aprende você brilha e se distancia. Vejo a sua direção e é por ela que me apaixono e te amo por saber bem o caminho das formas, do tempo, do teu vento, me espera, eu te levo um sorriso leve, com flores, com bichos, com amor, eu quero aprender! Solta essa fala, desenvolve, cresce no Sol, a energia primeira, sinta a grama que só é pelo Sol, que só é Sol porque também é parte do Todo, mergulhado no Todo, você. Brilha. Ilumina. Mesma matéria de que é composto o Universo. Universo. Uni. “O Universo é o corpo de Deus e Deus é a alma do Universo.” Deus é o Todo. Único. Respira Deus. Coma Deus. Sinta Deus. Mergulhe, aconchegue, fique confortável em Deus, és parte, és Todo,  és parte do Todo. Por isso brilha. Ilumina. Cresce, me ensina!  Aprender Unidade, Unicidade, sou eu e você, Todos Somos, Tudo Somos, somando. Ajude crescer, plante. Planta teus pés no nosso caminho. Penso muito, desespera? Espera. Sou aia de uma senhora negra, pobre, sofrida que muito me ensina e alivia meus dias de cárcere. Caminho no mundo todo procurando aprender. Que lindo tom azulado assume os olhos de quem muito viveu, vislumbre do Céu,  num olhar diluído nas partículas do Ar enquanto relembra, você lembra? Lembro sempre com muito amor e quero esse azul nos meus olhos, chegando próxima a hora em que trocaremos de vivência. Sinta tudo que senti, sinto tudo que sentiu, não sente sozinho, viu? Escreve. Mostra. Escrevo. Mostro, pra não sentir que sinto sozinha, pra você saber que não sente sozinha, sozinho, minha amiga, meu amigo, ninguém está, somos Um. Te respeito. Com Amor. Luz!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Percepções de gota d'água

O mar é uma imensa gota d'água que à todas as outras chama
Chama gota que desce silêncio e cai espanto

Gota d'água tem quê de vento,
escultura do ar enquanto cai
Avisa que é gota pelo alarde ou calma em que chega
Pelo equilíbrio em folha que faz
Cada estalido é susto, nova condição

Quando segue, de tão atraída parece vontade
Gota não sabe se vai porque quer
ou se é chamada com força igual
Gota se transcende ou se aninha
Se aconchego, se abraça, redonda, gorda
E brilha e dança
Se transcendência, escorre
Ou não

Carinho discreto, presença subentendida no frescor
Gota depende da pressa
Gota depende do humor
Livre, livre não se pega
Gota se acolhe
Antes transcender a ser contida
Fluida, fluida, escorrega

Gotas a gente bebe e respira
São parte da gente, sou ela
O mar é uma imensa gota d'água que à todas as outras chama

Ai que saudade do mar!